Jogos
Por Carlos Maestre, Pizza Fria

TOEM: A Photo Adventure | Review

TOEM é um jogo de fotografia diferente. As fotos não são pontuadas, elas solucionam situações inusitadas em um jogo maravilhoso que parece um livro ilustrado!.

Um pequeno time de desenvolvedores independentes sueco com o nome de Something We Made (em português, “algo que nós fizemos”) fez uma pequena e deliciosa aventura fotográfica com o nome de TOEM: A Photo Adventure.

Este é um jogo cujo tema central é a fotografia, mas de um jeito muito diferente do reconhecido New Pokémon Snap!, pois TOEM: A Photo Adventure se inspira muito no gênero point-and-click, o mesmo de jogos como The Secret of Monkey Island, e simultaneamente passa a sensação desses gostosos livros com passatempos para encontrar e desvendar mistérios, como Onde está o Wally?.

Disponível para Nintendo Switch, PlayStation 5 e computadores Windows e Mac (por meio de Steam e Epic Games Store), nem vou esconder que gostei do jogo.

Quer descobrir os motivos pelos quais gostei tanto de TOEM: A Photo Adventure, vem comigo nesta análise para o Pizza Fria!

Diga “xiiiiiis”!

Sabe aquela sensação de criar expectativa por ver um trailer e de finalmente iniciar o jogo pela primeira vez pra conferir como realmente é?

Pois então, descobri TOEM: A Photo Adventure na apresentação Indie World de agosto e logo pensei, “Tá aí um jogo para a lista de desejos”!

Saia à procura de TOEM ao ganhar a antiga câmera de sua avô. (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)
Continua depois da publicidade

A esta altura da vida, já não sei dizer se foi a fotografia que me aproximou do jornalismo ou se foi o jornalismo que me aproximou da fotografia.

Em encontros familiares, amiúde era eu o responsável por empunhar a câmera.

Quando as câmeras digitais começaram a surgir então… Gostava de carregar as pilhas, o cartão de memória de incríveis 512 MB e partia em bicicleta ver cantões da cidade para fotografar. Aquela típica aventura urbana e pseudo-cult-intelectual adolescente em busca de um grafite esquisito, um muro colorido ou de uma cena inusitada.

Tenha em mente que ainda faltava um pouquinho para a revolução do iPhone e a popularização dos smartphones acontecerem.

Lembro de alguém dizer “fotografia é a arte do acaso.” Você percebe um instante, clica e só descobre depois o momento que capturou. Isso acontece até com as câmeras dos smartphones.

Era câmera muito engraçada; tirava foto, dava buzinada. (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)

TOEM: A Photo Adventure, uma aventura fotográfica

Mas sabe o que isso tem a ver com TOEM: A Photo Adventure?

Ao contrário do ótimo New Pokémon Snap, suas fotografias vivem sem a necessidade de receber pontos.

Qual enquadramento? Não importa!

Zoom e proximidade com o objeto? Pose diferente?

Nada disso importa, já que as fotos neste jogo guardam momentos e, se o momento certo for capturado, algum problema pelo mundo será resolvido.

Simples assim, sem avaliação nem pontos.

Solucione pedidos com estrelas para ganhar carimbos por boas ações. (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)

A aventura começa na casa da sua avó, quem te presenteia com uma câmera analógica. Uma máquina simples e robusta com zoom e capacidade para carregar mais de uma centena de fotos ao mesmo tempo.

Sem muito contexto, estamos nos preparando para uma jornada. Vamos peregrinar com uma personagem que me lembra uma ovelhinha simpática!

Pegue sua mochila do chão, faça um breve retrato de sua avó para aprender a usar o equipamento que foi dela e saía de casa para fotografar a natureza.

Um mundo rico te espera com personagens que saíram de um livro ilustrado! (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)

Ao longo do jogo, a ovelhinha conhece figuras (que vão de figurinhas a figuraças) e sob seu ponto de vista como jogador você será o encarregado de solucionar problemas de todos os tipos – grandes e pequenos – para receber carimbos pelas boas ações e ganhar viagens de ônibus gratuitas.

O jeitão point-and-click faz das lentes da câmera o seu ponteiro, e eu não quero estragar surpresas, dada a natureza do jogo, mas vou deixar dois exemplos!

Oi, você já pegou o desafio fotográfico da guilda dos fotógrafos hoje? (Imagem: Reprodução)

Membros do clube de fotografia estão espalhados por todos os lugares de TOEM e nos oferecem desafios.

A primeira fotógrafa-escoteira avistada deixou a singela charada sobre pequeninos soldados que nunca se rendem.

Pensando literalmente, comecei a tirar a câmera e procurar por soldados como os de Toy Story pelas cercas, pelos arbustos… Até que deixei pra lá! Algumas telas depois, vi umas formiguinhas incansáveis e cliquei!

Fácil, né? Depois vão surgindo outros, como fotografar uma hipopótamo tímida que se esconde sempre quando vê a câmera! E agora?

Como você conseguiria uma foto de uma hipopótamo muito tímida? Dica: não é sendo veloz. (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)

Além dessa polaroid guardada no álbum, a câmera ainda serve como um indicador. Este é o caso do faroleiro cujos binóculos estão quebrados e por isso ele não consegue ver os barcos no meio de uma tempestade. Cabe a você aproveitar a iluminação dos raios, apontar a câmera e mantê-la fixa por alguns instantes para focar e revelar cada barquinho. Assim são alguns dos quebra-cabeças.

Pela aventura, sua câmera ganha funções novas, como um tripé e uma buzina. Sem falar que você pode fazer tudo como se fossem selfies e até mudar a expressão na fuça da ovelhinha!

Faça caras e bocas com o modo selfie e preencha o álbum com fotos sem compromisso. Apenas curta a jornada! (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)

A insustentável leveza do clique

TOEM é um desses jogos que eu não saberia dizer o que tem nele que me prendeu. Sabe como fotografar é tudo sobre a imagem, mas também sobre o barulhinho do obturador quando clicamos? É nesse instante que uma cortina mecânica se abre para deixar luz passar e gravar o que vemos.

Assim como num jogo, a fotografia aguça nossos sentidos por estímulos visuais e sonoros a partir da ponta dos dedos que apertam um botão. O resultado a gente vê em seguida!

Veremos cenários inspirados nas bucólicas paisagens do interior escandinavo, de onde são os desenvolvedores da Something We Made.

Os cinco lugares retratados em TOEM estão divididos em trechos pequeninos que lembram maquetes. Essa divisão ajuda a manter o foco, uma espécie de microgerenciamento ótico – uma delícia para descobrir o próximo sujeito, apontar a câmera e clicar.

Interaja com o cenário, sente-se, converse, coloque óculos que veem fantasmas e outros acessórios. (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)

O traço destas miniaturas parece ter vindo de um livro de encontrar o Wally. Ou daqueles com as páginas todas ilustradas nos quais devemos tentar resolver um enigma escondido entre os milhares de personagens, cada um fazendo uma coisa completamente distinta e todos cheios de vida.

Essa paleta monocromática coexiste com os arredores campesinos, praianos e urbanos.

Pode não ter nada a ver com o que passou pela cabeça dos artistas, mas TOEM me lembrou uma outra obra vinda da Suécia: o famoso diretor Ingmar Bergman rodou, lá em 1957, – talvez você tenha ouvido falar, é um dos melhores filmes jamais feitos – Morangos Silvestres, um drama de estrada em preto e branco.

Peregrine da sua casa no campo até picos nevados inspirados por paisagens do interior da Suécia. (Imagem: Reprodução/Nintendo Switch)

Eu não sei justificar bem o porquê, apenas me lembra. E pesquisando vi que o nome do filme em sueco, Smultronstället, que significa literalmente “o pedaço de chão com morangos silvestres”.

Mas além disso, é uma expressão idiomática que fala sobre um lugar secreto, quase sempre com forte valor pessoal ou sentimental e que ninguém mais conhece. É aquele canto secreto seu, perdido no mundo, e que ninguém mais conhece ou atribui valor.

Hmm! Acho que agora faz sentido. Os desenvolvedores até colocaram no site oficial que TOEM é “um jogo que te encoraja a ‘parar e cheirar as flores’”. Aliás, fica implícito no começo que “TOEM” significa algo por aí… Quando você jogar, você volta aqui pra me contar suas conclusões!

Pizza Fria

Reviews, notícias e tudo sobre o mundo dos games

Por Carlos Maestre, Pizza Fria

Atualizado em 15 Set 2021.